Hip Hop Rádio

The Roots no EDP COOL JAZZ: Hip-Hop em toda a sua musicalidade

O EDP CoolJazz, em Cascais, foi palco do muito esperado regresso dos The Roots a Portugal, 8 anos depois do seu concerto no festival Sudoeste.

A expetativa era muita e o grupo não desapontou. O palco estava montado e, à primeira vista, não parecia de todo o habitual ambiente para um concerto de hip-hop. O EDP CoolJazz é um festival um pouco diferente dos restantes festivais de Verão. Mais calmo, talvez, chega a faixas etárias diferentes e por ser um festival de Jazz, um género que é suposto ser apreciado de forma diferente, o público mais chegado ao palco está disposto numa plateia sentada. No entanto o ambiente em festivais é algo sempre volátil, reagindo muito aos estímulos daqueles que estão em cima do palco.

Ora, aquando da chegada da banda de Filadélfia, percebemos de imediato que ia ser um concerto diferente do de outros artistas no evento. “Everybody get the f*** up” foram as primeiras palavras proferidas por Black Thought, ele que em conjunto com Questlove fundou este grupo em 1987. Acabou-se a plateia sentada e gerou-se uma pista de dança com pessoas de todas as idades a moverem-se ao ritmo da carismática presença de palco do veterano MC. Este esteve sempre bem acompanhado pela restante banda que misturava, nos seus integrantes, elementos indispensáveis ao Hip-hop, como um DJ, e lhes acrescentava uma panóplia de outros géneros musicais, fosse pela tuba de Tuba Gooding Jr ou pela guitarra do showman Kirk Douglas. O espetáculo foi também ele uma enorme mistura de géneros e influências, havendo algo para todos os públicos presentes. Pelo meio dos êxitos da própria banda, houve sempre espaço para que todos os membros do grupo brilhassem nos seus instrumentos. Fomos presenteados com solos de todos aqueles que compõem este lendário grupo, passando por uma impressionante demonstração de DJing de Stro Elliot e por impressionantes solos de guitarra, nunca descurando, claro, o importante instrumento que é a voz de Black Thought. Voz essa que deu uma autêntica lição de Flow e presença de palco, deixando muitas vezes a plateia a tentar perceber se ele de facto respirava ou se estávamos na presença de um qualquer modelo muito avançado de uma máquina de cuspir rimas.

O maior destaque da noite foi, pelo menos para os amantes de Hip-hop,um medley em que a banda interpretou vários clássicos da cultura. Pudemos ouvir Mass Appeal dos Gangstarr, Shimmy Shimmy Ya de OlDirty Bastard e até C.R.E.A.M dos Wu-Tang Clan, todos tocados por um fantástico conjunto de músicos com Thought a dar voz aos versos dos seus companheiros MCs.

Este concerto foi só mais uma prova de que o Hip-Hop enquanto género musical é uma enorme tela em branco pronta a receber tinta das mais diversas influências e, qual camaleão, adapta-se e mantém-se relevante e fresco. Era suposto ser um festival de Jazz, era. Mas os The Roots são demasiado versáteis para se deixarem meter em alguma gaveta e deram-nos muito mais do que isso. Uma verdadeira experiência musical sempre com o selo hip-hop.

Reportagem por Rúben Fernandes com foto-galeria por Daniel Pereira para ver aqui.

Leave a Comment