O Dread Que Gravou Golias

Hol(l)y shit. É a única reação possível depois de ver o filme “Uma Pouca Vergonha”, de Holly Hood. Apesar de não ser produção de Hollywood, há que dar valor à realização. Muito bem produzido, com momentos duros, momentos hilariantes e os momentos que Holly mais gosta: momentos gangsta.

Como amantes do rap, apenas temos uma visão do lado de cá da grade que separa a plateia do palco. Apenas podemos viver loucamente por momentos os concertos dos artistas que gostamos e, se tivermos muita sorte e paciência para esperar nas filas, eternizar esse concerto com uma foto com o artista. Claro que é uma excelente visão que fica na memória, ver o artista empolgado e o público a vibrar com cada música, e, no caso dos concertos do Holly, com cada moshpit. Ainda por cima, agora, de quarentena, apenas podemos ouvir as músicas ou ver vídeos de performances.

Com esta “pouca vergonha”, Holly permite-nos ter uma visão do que está do outro lado, do lado de quem pisa o palco e põe o público a vibrar. A verdade é que embora aparente, nem tudo é “Fácil” e apenas quem é “Ignorante” acha que é tudo um mar de rosas. No filme, Holly mostra-nos a vida de um artista: cada drena em cada concerto, cada hotel que sente as repercussões das presenças dos Superbad, cada momento de luxo nos restaurantes e piscinas. Holly também nos dá uma visão acerca das “Cobras e Ratazanas” que se atravessam no caminho de um rapper até ao topo. Muitos são os obstáculos. Muitas são as horas fora de casa. Muito é o cansaço. Só quem “Some” da sua zona de conforto consegue alcançar os seus sonhos. O próprio Holly diz estar a viver um sonho. Por isso, se querem a vida que o Holly nos mostrou, corram atrás dela.

É de louvar a iniciativa e são precisas mais destas iniciativas no Hip Hop português. Esta permitiu-nos ter uma visão sobre o funcionamento da Superbad e conhecer um pouco melhor as personalidades de cada elemento, bem como o luxo que se tem e os entraves que às vezes se têm de enfrentar.

Para os rapper que ambicionam esta vida, que este filme vos motive a crescer e que retirem dele que é preciso suor e dedicação, mas com o pessoal certo na back tem tudo para correr bem.

Para todos os amantes de rap, tivemos o privilégio de ver a vida de um artista. É incrível o luxo, não é ? Podemos sonhar com ela e até podemos mesmo alcançá-la. Não parem de sonhar e trabalhem por isso. Achas que é impossível ? “Cala a Boca”. Tudo é possível quando se tem um sonho, o Holly que o diga.

Obrigado. Holly, pela iniciativa. O teu people, ri-se. Os teus fãs, sorriem.