Hip Hop Rádio

dj

Holly atua no Coachella 2019

Holly acaba de confirmar a sua presença na próxima edição do festival norte-americano Coachella – onde também vão atuar nomes como Anderson .Paak, Childish Gambino ou Pusha T.

O dj e produtor caldense, que tem trabalho de perto com a nata do hip-hop nacional – só o ano passado viu nascer HollyLandz, em colaboração com Landim, assim como algumas das suas batidas em discos como Deepak Looper ou, mais recentemente, Bairro da Ponte – dá assim um largo passo na carreira, estando a sua atuação marcada para o segundo fim-de-semana do certame (20 ou 21 de abril), a decorrer na Califórnia.

Dois Anos em Família

Na próxima quinta-feira, dia 7 de março, celebramos em Lisboa o 2º Aniversário deste nosso projeto, a Hip Hop Rádio. A festa realizar-se-á no Copenhagen Bar, no Cais do Sodré, e tem data de início marcada para as 23h. A entrada é 6€ e inclui uma bebida.

Tóy Tóy T-Rex é o cabeça de cartaz deste evento, sendo que vai atuar juntamente com o seu grupo Máfia 73. O artista que lançou em 2018 o EP Chá de Camomila é conhecido por temas como “Big Boss Type $hit”, “No Go Zone”, entre outros.

DCOKY e Don Julian completam o cartaz no que toca a showcases, trazendo o segundo alguns convidados. DJ Perez fechará a noite com um set certamente recheado de muito hip-hop nacional como já nos tem habituado.

Fica aqui com o evento.

Dj Big celebra 28 anos com noite de DJing

Na passada sexta-feira, o Copenhagen Bar, em Lisboa, acolheu o aniversário de Dj Big, produtor que já trabalhou com artistas como Kappa Jotta ou Sam The Kid e que tem pisado vários palcos nacionais e brilhado em instrumentais da sua autoria – em maio deste ano lançou o seu primeiro singleem colaboração com os Mundo Secreto. E não havia melhor maneira de celebrar o seu 28º aniversário que rodeado de toda a sua equipa e amigos, incluíndo a presença de alguns nomes do hip-hop nacional nesta que foi uma grande noite dedicada, quase em exclusiva, à arte do DJ’ing | Ensaio de Leandro Peleja

Para começar, DJ Riskit abriu a noite enquanto o Copenhagen Bar já ia começando a encher aos poucos. Depois seguiu-se DJ Kwan na cabine, o irmão do aniversariante, que foi responsável por começar a aquecer o ambiente. Mas foi o Dj Onit que pegou fogo à casa, que já estava completamente lotada, e preparou o cenário para o homem da noite vir partir o que ainda havia por partir.

DJ Big fez aquilo que sabe fazer melhor e deu um pouco do melhor hip-hop português a todos os presentes antes de passar o lugar na cabine a um dos nomes do momento: o autor do hit “Cafeína”, Dj Dadda, veio dar uma nova fonte de energia a todos.

Ao longo da noite o Copenhagen Bar, completamente lotado, presenciou um ambiente fantástico que acolheu da melhor maneira esta noite dedicada ao hip-hop, como foco especial no DJ’ing – quatro nomes nacionais a pisar o palco – e, como é óbvio, a HipHop Rádio não podia deixar de marcar presença.

Muitos parabéns, DJ Big!

Fotografia de Leandro Peleja

 

Mais que uma audição, uma troca de experiências

No passado dia 25 de novembro estivemos em Marvila para assistir a uma audição de talentos hip-hop promovida pela Associação Sons da Lusofonia.

Ao chegarmos à Biblioteca Municipal De Marvila pudemos de imediato constatar que não iríamos assistir a uma audição de talentos “normal” digamos assim. O ambiente era totalmente descontraído, não existiam participantes isolados no seu canto à espera da sua vez, estavam praticamente todos inseridos num só grupo a conversar. Havia a sensação de que já valia a pena estar presente neste evento apenas devido a esta troca de experiências, no entanto a realidade é que o objetivo era auditar talentos e, após algum atraso comparativamente às horas que estavam previstas, os participantes foram chamados a entrar no auditório.

Ninguém iria ser “avaliado” singularmente, todos os participantes poderiam ver todas as audições. Tínhamos cada vez mais a sensação que Rui Miguel Abreu, Carlão, Chico Rebelo e Cap estavam presentes não como júris mas sim como personalidades do hip-hop que apenas queriam ver o que de novo se andava a fazer. 3 das 4 vertentes do hip-hop foram auditadas: participaram concorrentes do Rap , B-boying e Graffiti , apenas ficou de fora o Djing.

A tarde de audições começou com Wesa, grupo de dança do Centro Artes e Formação da J.F. Lumiar, que deixou todos a vibrar com os movimentos destes jovens dançarinos. De seguida tivemos a primeira atuação de rap, a MC de Alverca, Máry M. abriu as hostes com o single “R.A.P” do seu EP já lançado “Momento Certo”. Foi notória a estupefação de todos perante uma performance que foi exemplar. As atuações de rap continuaram com Kaikai, rapper proveniente de Agualva Cacém, Primo, rapper da Baixa da Banheira que nos presenteou com uma atuação cheia de sentimento, Cadi que levou consigo os restantes membros do coletivo de de que fazem parte, Pirataria 2630 (vieram de Rio De Mouro até Marvila apenas para esta audição) e SXR, trio de São Brás, Amadora, composto por Spock (DJ), Errek e Buda XL (MC’s) que fizeram uma das performances mais enérgicas da tarde, um autêntico mini-concerto. Houve ainda espaço para mais duas participações. Ofelia (Ornella Castelhana), artista italiana, residente em São Vicente, fez uma apresentação dos seus trabalhos de desenho e Savy Bastards, MC residente em Arroios que apesar da barreira linguística conseguiu meter todos a cantar com ele.

A última atuação da tarde (em jeito de surpresa) ficou a cargo de DMK, duo constituído por Vera Di Moura e Kastiço, participantes em edições anteriores da OPA – Oficina Portátil de Artes, um projecto pedagógico desenvolvido pela Associação Sons da Lusofonia, desde 2006. No final de cada atuação, não houve apreciação por parte do júri, os vencedores do “prémio” (participação num espetáculo organizado pela Associação Sons da Lusofonia) irão ser
informados mais tarde e de forma individual.

Foi uma tarde muito bem passada na Biblioteca Municipal de Marvila. No final todos tiveram ainda direito a um lanche de convívio pois reiteramos mais uma vez, os objetivos deste evento foram sempre proporcionar o encontro de pessoas com gosto pela mesma cultura e a possibilidade de troca de conhecimentos e experiências, porque afinal o hip-hop é mesmo isso,
união. Estejam atentos às próximas iniciativas da Associação Sons da Lusofonia.

Texto: Daniel Pereira

Fotografias: Carolina Costa