Hip Hop Rádio

dj kwan

Cálculo lança “F*dafunk”: “Vou sempre nadar para onde o meu coração me levar”

Depois de “Sem Folgas” com Mace, Cálculo está de volta com F*dafunk. Estivemos à conversa com o artista que nos falou sobre este single e fez algumas revelações sobre o novo álbum.

Por Daniel Pereira


Cálculo lançou ontem por volta das 12h “F*dafunk”, novo single featuring DJ Kwan. Tudo surgiu numa Jam em estúdio no ano passado: “na altura estava a fazer um remix do tema “machine gun funk”, depois de navegar em samples de bateria e montar o break surgiu a melodia e as primeiras rimas, depois o tema foi se transformando, fui adicionando e removendo rimas e elementos do beat”. Mas o processo não ficou por aqui, “o Ariel tocou a linha de Baixo e o DJ Kwan fechou o som com os cuts.”

À primeira escuta é possível notar uma toada bem funk nesta música, algo que segundo Cálculo faz parte da sua musicalidade: “sempre esteve na gênese da minha sonoridade, mesmo em beats mais “frescos” gosto muito de misturar nuances e elementos oldschool, a música foi uma feliz equação do momento e o resto foi-se construindo.” Apesar de sentirmos estas influências de forma mais acentuada neste novo lançamento, esta é uma sonoridade que esteve sempre presente em todos os trabalhos lançados pelo artista. “Acho que será muito difícil ouvires um álbum de Cálculo sem funk e sem soul, as minhas referências serão sempre as coisas de que gosto e naturalmente desenham-se por si.”

Cálculo sempre fez a música de que gosta e nunca se quis fechar em qualquer gaveta e isso por si só faz já dele um artista ímpar no panorama do Hip-Hop Nacional. “Sempre me senti um bocado outcast e sempre tive muita dificuldade em seguir rótulos, acho que é mais evidente desde o “Caixinha” e do “Complicado” que vou sempre nadar para onde o meu coração me levar.


Sobre o novo álbum, algumas novidades: “poderão ouvir o meu álbum este ano se tudo correr bem, terá dois lados ( A e B ) e um dos lados será mais cósmico e dançável.

Podes ouvir o novo single aqui:

Galeria | ID NO LIMITS

Estivemos presentes na 1ª edição do ID NO LIMITS.

Com um cartaz bastante diversificado, o festival teve lugar no Centro De Congressos Do Estoril e pudemos presenciar uma energia bastante boa e acima de tudo, singular no panorama de eventos nacional. MadLib, IAMDDB, Pedro Mafama, Dino D’Santiago, DJ Kwan, DJ Kronic e Sir Scratch foram alguns dos nomes representativos do Hip-Hop. Certamente a primeira de muitas edições.

Fica AQUI com a Foto-Galeria completa por Daniel Pereira (dia 29) e Alicia Gomes (dia 30).

Os 20 anos de carreira de Dj Kwan: o aniversário que todos gostaríamos de ter

Sam The Kid abriu a festa de aniversário de carreira de Dj Kwan num Time Out lotado. O MC de Chelas fez o primeiro Dj set de uma noite de hip-hop que já prometia ser histórica desde que foi anunciada. Hip-hop português foi o que se ouviu mais na noite de dia 8 de Dezembro, Estraca foi o primeiro MC a pegar no microfone e o público, que esteve ao rubro a noite toda, acompanhou o seu rap de intervenção do início ao fim.

Com a audiência a pedir mais hip-hop, Sam apresentou Kappa Jotta entre elogios e piadas. O rapper da Linha C entrou em palco com “MOVS” depois do Dj Maskarilha aquecer a plateia com um curto dj set, Kappa Jotta passou por temas como “Hustle, “Pela Cidade” e “Sem Convite”, acompanhado, como é habitual, por Bad Tchiken, deu origem ao primeiro mosh pit da noite com o tema “DPDC”. O MC fez ainda questão de cantar os parabéns a DJ Kwan antes de sair do palco.

O mais perto que os presentes estiveram de ouvir Sam The Kid a rimar esta noite foi um mini improviso para apresentar Holly Hood, e em tom de brincadeira o segundo nome do dread que matou o golias  foi revelado para quem estava mais atento. Holly Hood apresentou uma novidade na sua apresentação ao vivo, e pudemos ouvir várias melodias com auto-tune que certamente voltará a usar nos próximos concertos, dando um toque especial a alguns dos seus temas. Os seus convidados foram No Money e Bigg Favz que também tiveram oportunidade de cantar temas próprios. Ficaram assim fechadas as atuações dos MC, e foi altura dos Dj mostrarem o que sabem fazer.

Dj Big foi o primeiro a passar música com especial foco no hip-hop português, tentando ainda chamar ao palco Sam The Kid para cantar “Sendo Assim, no entanto sem sucesso. Dj Glue e Dj Kwan foram os últimos a atuar, com uma battle de pratos e skills. E como hip-hop não são só rimas e batidas, subiram ao palco os B-Boys que estavam presentes na festa. Dj Kwan fechou a noite que montou para celebrar os seus 20 anos de carreira, onde a última surpresa da noite foi Dino D’Santiago.

 

Nuno Serrão Silva certamente ficou contente com o resultado da festa que lhe era dedicada. A casa estava cheia mas não deve haver ninguém que se tenha arrependido de passar o seu sábado à noite no Mercado da Ribeira. Da nossa parte resta-nos congratular Dj Kwan pela sua carreira até agora e esperar mais 20 anos de sucesso daqui para a frente.

Artigo de André Batista

Foto-galeria completa aqui por Daniel Pereira

Dj Big celebra 28 anos com noite de DJing

Na passada sexta-feira, o Copenhagen Bar, em Lisboa, acolheu o aniversário de Dj Big, produtor que já trabalhou com artistas como Kappa Jotta ou Sam The Kid e que tem pisado vários palcos nacionais e brilhado em instrumentais da sua autoria – em maio deste ano lançou o seu primeiro singleem colaboração com os Mundo Secreto. E não havia melhor maneira de celebrar o seu 28º aniversário que rodeado de toda a sua equipa e amigos, incluíndo a presença de alguns nomes do hip-hop nacional nesta que foi uma grande noite dedicada, quase em exclusiva, à arte do DJ’ing | Ensaio de Leandro Peleja

Para começar, DJ Riskit abriu a noite enquanto o Copenhagen Bar já ia começando a encher aos poucos. Depois seguiu-se DJ Kwan na cabine, o irmão do aniversariante, que foi responsável por começar a aquecer o ambiente. Mas foi o Dj Onit que pegou fogo à casa, que já estava completamente lotada, e preparou o cenário para o homem da noite vir partir o que ainda havia por partir.

DJ Big fez aquilo que sabe fazer melhor e deu um pouco do melhor hip-hop português a todos os presentes antes de passar o lugar na cabine a um dos nomes do momento: o autor do hit “Cafeína”, Dj Dadda, veio dar uma nova fonte de energia a todos.

Ao longo da noite o Copenhagen Bar, completamente lotado, presenciou um ambiente fantástico que acolheu da melhor maneira esta noite dedicada ao hip-hop, como foco especial no DJ’ing – quatro nomes nacionais a pisar o palco – e, como é óbvio, a HipHop Rádio não podia deixar de marcar presença.

Muitos parabéns, DJ Big!

Fotografia de Leandro Peleja

 

BEAT FEST: Um festival de batidas, rimas e tintas

 

O hip-hop volta a estar em destaque no panorama dos festivais de verão. No Beat Fest “só” não há breakdance, mas, em contrapartida, apresenta uma programação de luxo a nível de MC’s e DJ’s nacionais. A praia fluvial da Ribeira da Venda, em Comenda, Gavião, recebe, de 2 a 5 de Agosto, o certame que tem como objetivo colocar o Alto Alentejo no mapa do movimento e, “quem sabe, trazer de volta aquele sabor e toque das old school hip-hop parties”. | Por Bruno Fidalgo de Sousa

Não só de MC’s se faz a festa em Comenda. A programação, que conta com Piruka, Slow J ou Mundo Segundo e Sam The Kid como cabeças de cartaz e  Nel’Assassin, Dj Kwan e Stereossauro nos pratos, “seja em clubbing ou turntablism”, só fica completa com Youth One, writer português que irá estar a pintar durante a tarde nos três dias de festival, explica Ivo Novais, um dos organizadores do evento, que acrescenta ainda “principalmente porque o consideramos um artista com alma hip-hop e, sendo a nossa primeira edição, queremos começar com uma vibe distinta”.

Embora o plano inicial contasse com a presença do breakdance e com dois artistas internacionais, o cartaz está fechado. Ivo explica que “infelizmente não conseguimos trazer artistas de breakdance, foi uma dificuldade que não conseguimos ultrapassar, estamos na primeira edição, esperemos que para o ano consigamos ter as quatro vertentes em pleno.”

Para além dos concertos já mencionados, também Mishlawi, GROGNation, Phoenix RDC, Cálculo, Kappa Jotta, TNT, Dillaz, Eva RapDiva e Holly Hood têm presença marcada nos três dias de festival. A completar o certame, a receção ao campista recebe ainda Kroniko, Sacik Brow e Alcool Club, para além de DJ Gijoe. “Esperemos conseguir criar um evento cujo o estado de espírito do público esteja interligado com o dos artistas, e quem sabe trazer de volta aquele sabor e toque das old school hip hop parties”, conclui Ivo.

O festival tem o apoio da autarquia e os bilhetes de entrada diária ficam a 10€, com o passe geral a rondar entre 22€ e 26€.

Fotografia de Arquivo