Hip Hop Rádio

O Hip-Hop deu à Costa | 1ºdia do Festival

O Sol da Caparica recebeu o Hip-Hop de braços abertos, com um cartaz poderoso que celebra, acima de tudo, a língua portuguesa.

Mas ainda antes do Hip-Hop entrar em palco já ele andava pelo recinto.

No skate park do festival, os skaters deslizavam ao som de vários artistas de hip-hop nacional como Slow J, Sam the Kid ou Boss AC. Ao lado, Smile e Robô, numa enorme parede, fizeram surgir Carlão das suas latas de spray. O mote estava dado: o Hip-Hop veio para ficar.

Criolo foi o primeiro rapper a subir ao palco. O público recebeu com calor o artista brasileiro que fez uma viagem pela sua discografia, apresentando músicas desde o seu novo álbum até aos singles mais antigos, passando pelo disco “Convoque Seu Buda” onde pediu, ao som de “Duas de Cinco”, “mais respeito pelos professores.”

Num concerto tanto eufórico como emotivo, Criolo pediu várias vezes “mais amor e menos desigualdade” apelando à luta contra o preconceito e contra a repressão porque essas são realidades que “só nos trazem tristeza.”

O Criolo acabou o concerto emocionado com o público a acompanhar as suas palavras. O artista Paulistano diz que “não existe amor em SP” mas na Caparica existe e houve muito amor para ele.

Criolo deu lugar a Regula para um concerto como já nos habituou. Sem muitas palavras mas com muita energia, Regula sobe ao palco para apresentar as suas músicas e divertir o público.

O MC português trouxe os seus temas mais badalados e aqueles que, obviamente, o público gosta de ouvir quando vai a um concerto de Regula.

Desde “Tarzan”, passando por “Pay Day” e “Wake N’ Bake”, o artista fez questão que toda a gente cantasse em uníssono “Kara Davis” mas foi com “Genuino” que Regula levou o público à loucura.

Regula deu um concerto animado, agradecendo ao público a energia e ao Sol da Caparica pelo facto de ser o terceiro ano consecutivo que integra o cartaz do festival.

O tema “Solteiro” não podia ter ficado de fora, sendo um dos momentos da noite, quando a multidão em frente a Regula cantou o refrão da música acapella.

Artigo por: Mariana Marques
Fotografias por: Carolina Costa e Mariana Marques

Leave a Comment